Fotografia by Né - Ribeira dos Caldeirões, Achada - Nordeste São Miguel Açores

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Sem complicações...


"Life is the messy bits."
Letters to Juliet (movie)

Not only, but also... Em dia de fim de ano, o inevitável balanço acontece dentro das nossas cabeças e, no meu caso, tende a passar para as pontas dos dedos que se colam às teclas do computador (longe vai o tempo em que o transplante se fazia através de uma caneta!).
E ao fazer esse balanço, tenho de concluir que 2013 não teve assim tantas "partes complicadas" (apesar de não ter estado isento das mesmas!). Não devo, no entanto, chegar à conclusão de que não vivi o suficiente. Nada disso! Quem me dera que todos os anos fossem simples, lineares, serenos e sem grandes complicações. Estarei a viver menos por desejar isto? Até o poderei estar a fazer, mas neste momento isso não me importa. Há quem defenda que, em retrospetiva, são as partes mais intensas e difíceis que nos fazem achar que levamos uma vida boa. Peço desculpa por discordar.
Para mim, uma vida boa é uma existência serena. Já tive a minha quota parte de "messy bits" e sei que ainda muitas outras virão. Por isso, enquanto puder desfrutar do sossego e da quietude nos jardins da minha alma, é esse o meu desejo para 2014...

sábado, 28 de dezembro de 2013

Grandes esperanças...


Saída diretamente do universo de Dickens, a mini-série "Great Expectations" da BBC é uma boa conselheira em fase de balanço de final de ano... Lembra-nos que, independentemente das nossas expetativas serem pequenas ou grandes, a Vida é um carrossel com vontade própria. Sabemos a moeda que pomos para começar, mas nunca sabemos para que lado vai girar, durante quanto tempo ou a que ritmo... Se isso nos quer dizer que devemos deixar de ter esperança? Não, porque é ela que nos faz continuar a querer participar neste parque de diversões que é a nossa própria existência. Devemos esperar viver durante o tempo que nos está destinado, ao lado dos que nos querem bem e desejam estar connosco, a fazer aquilo de que gostamos, com o suficiente para nos sentirmos confortáveis e afortunados. Esperanças assim não nos prejudicam, não nos impulsionam os sonhos para longe demais e não nos dececionam no fim... Mais do que isso será desnecessário porque retirará o fator surpresa ao futuro... Resta-nos acreditar que o Destino saberá que moedas nos dar e quando... 

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

A minha vida e os livros...


"Há coisas que não podemos alcançar.
Mas podemos estender a mão para elas, e todo o dia."
Mary Oliver

Acabo de ler um livro que me tocou bastante. Os livros do final da tua vida de Will Schwalbe é um testemunho real sobre a importância da leitura na vida, na luta contra a morte e nas relações humanas. Revejo-me nele porque todas as pessoas de quem gosto realmente partilham comigo a paixão pelos livros. Também eu gostava de ter mais tempo para conversar com elas sobre o que lemos. Sobretudo, gostava de ter mais tempo com elas e pronto... Nesta corrida contra a morte que é a nossa existência, parar para ler, voltar a parar para refletir sobre o que se leu e partilhá-lo com alguém de quem se gosta devia ser paragem obrigatória para todos nós. Como não o pode ser, uso tantas vezes este blogue como meu companheiro e ouvinte fiel. E é aqui que deixo a maior lição do livro, um conjunto de conselhos que a mãe do narrador (doente terminal) lhe foi transmitindo ao longo da vida como herança:

"Faz a tua cama, todas as manhãs; não importa que não te apeteça, faz à mesma. Escreve notas de agradecimento de imediato. Desfaz a mala, ainda que vás apenas ficar uma noite. Se não chegares dez minutos adiantado, estás atrasado. Sê alegre e escuta as pessoas, ainda que não tenhas vontade. Diz aos que amas que os amas, todos os dias. Forra as gavetas com papel. Tem sempre à mão uma série de presentes, assim terás sempre alguma coisa para dar às pessoas. Celebra as ocasiões. Sê amável."

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Mensagem de Natal...


É Natal... Cheira a aconchego, a bolos, a família, a pijamas e perfumes novos... Dá vontade de prolongar o dia ao máximo para fazer com que o Espírito perdure... Neste dia e nesta época, os melhores sentimentos que vivem muitas vezes calados dentro de nós desfilam à tona da nossa pele e pedem para ser partilhados com os que nos são mais queridos... Fazemo-lo através de um abraço, de uma prenda, de uma mensagem, de um telefonema... A tudo isso, gostava de juntar esta prece budista com que me cruzei há pouco no livro que ando a ler. É a minha mensagem de Natal para os que me visitam aqui e para todos os outros também:

"Que todos os seres vivos possam libertar-se do sofrimento.
Que todos os seres vivos possam libertar-se da inimizade.
Que todos os seres vivos possam libertar-se da perniciosidade.
Que todos os seres vivos possam libertar-se da doença.
Que todos os seres vivos possam ser capazes de proteger a sua própria felicidade."

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Livros...


"Quando se vende um livro a uma pessoa, não se vende apenas trezentos e cinquenta gramas de papel, tinta e cola - vende-se uma vida nova. Amor e amizade e humor e navios no mar à noite - um livro, um livro à séria, contém todo o céu e a terra."
Christopher Morley

Se alguma vez vou parar de escrever sobre livros? Não, tal como nunca vou parar de os ler... Sempre que a vida do quotidiano estaciona e se encosta por um pouco à berma, agarro-me a um livro e é nele que me enrosco e encontro tudo o que foi acima referido e muito mais... Sem livros, não haveria Natal para mim... Sem livros, não haveria pausa no trabalho que valesse a pena. Sem livros, não haveria eu para aqui escrever...
Como diz Wendy Welch, no aconchegante livro A Minha Pequena Livraria (que torna ainda mais forte o sonho de um dia também ter a minha!), "os livros são mais do que palavras numa sucessão de páginas. Marcam os momentos importantes da viagem que é a nossa vida."
Desde que era pequena, o presente perfeito para mim sempre foi um livro. Perceber as razões pelas quais alguém o escolhera para mim e desbravá-lo era a aventura que se seguia e entregava-me (e continuo a entregar-me!) a essa expedição com todo o carinho, sabendo que no fim teria lido mais um pouco de mim própria que desconhecera até então...

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Paz...


Palavra de ordem: paz... Apesar do vento e da chuva lá fora, cá dentro reina o sossego, o aconchego, a manta, o chá, as velas acesas, o cheiro a baunilha, o livro no colo e a presença do Tempo para poder ser apenas eu por um pouco...

Limites...


"Chasing Mavericks" é um filme sobre os limites que podemos ultrapassar quando nos predispomos a tal... Viver é um desporto que não traz metas fixas, a não ser aquelas que desenhamos para nós próprios no itinerário dos nossos projetos e sonhos... Se é certo que por vezes estabelecemos marcos muito próximos e fáceis de atingir, outras alturas e situações há em que esticamos esses objetivos até ao extremo do elástico das nossas possibilidades... Não conseguimos prever o fim, por isso nunca sabemos de antemão se vamos cumprir com o que planeamos ou se ficaremos aquém... O importante é que continuemos a tentar porque, impelidos pela adrenalina do desafio, somos capazes de conseguir ver o mundo de cima de uma onda...

sábado, 7 de dezembro de 2013

Heroísmo...


"A good head and a good heart are always a formidable combination."
Nelson Mandela

Desapareceu do mundo quem o disse e quem o provou com a sua existência... Não desaparecerá, no entanto, das nossas memórias, da história do mundo, da literatura nem do cinema... Enquanto aguardamos o filme que mostrará a sua longa caminhada pela liberdade, ouvimos uma das canções da sua banda sonora e homenageamo-lo, sabendo que a sua grandiosidade não cabe em nenhum tributo que lhe possamos fazer e agradecendo por ter coexistido no mesmo Universo que nós, porque isso só mostra o quanto podemos encher de valor uma Vida...

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Homenagem...


"Amorzade. Não me tinha passado pela cabeça que é exatamente o que sinto pelos meus amigos, os vivos e aqueles que morreram, ou antes, não morreram, só não puderam vir hoje."
António Lobo Antunes

E é o que tenho para dizer, precisamente quatro anos depois de ver um amigo desaparecer para debaixo da terra, num dia de chuva e vento como hoje... Para debaixo da terra, mas não para o esquecimento... Não deixa de ser verdade como nos lembramos mais das pessoas quando elas já não estão cá. Não que antes lhes retirássemos importância, mas é que agora agarramos nesse valor que sempre soubemos que tinham e acrescentamos-lhe a saudade e, sobretudo, o vácuo para onde atiramos o tanto que lhes podíamos ter dito e não dissemos, o muito que podíamos ter feito juntos e não fizemos...
É por isso que tento não desarmar quando gosto de alguém, que tento relembrar aos meus amigos o quanto eles são importantes, que me tento aproximar mesmo quando eles talvez preferissem um pouco mais de espaço... Doutras vezes, não consigo estar tão próxima como gostaria... Mas esforço-me... E por vezes vivo no dilema de me aproximar ou não... E, mais do que tudo, tenho medo (muito medo!) do dia em que mais algum amigo tenha que ir para debaixo da terra... Embora o solo seja fértil em boas memórias, em sorrisos e palavras partilhados, em agradecimento pelo que se conseguiu viver...
Até porque o mesmo (e sábio!) António Lobo Antunes nos dá a maior das lições que aqui repito: "Os amigos não morrem: andam por aí, entram por nós dentro quando menos se espera e então tudo muda: desarrumam o passado, desarrumam o presente, instalam-se com um sorriso num canto nosso e é como se nunca tivessem partido. É como, não: nunca partiram." Assim é e assim seja...

domingo, 24 de novembro de 2013

Grata...


"A simple grateful thought turned heavenwards is the most perfect prayer."
Doris Lessing

Gosto de deixar fluir os sentimentos de gratidão, de ir junto ao mar e sentir a imensidão do que nos envolve, os salpicos da maresia que nos banha, as linhas do horizonte que nos incentivam a ir mais longe... Em momentos assim, tudo se conjuga para nos desenhar na alma a curva de um sorriso e mesmo os elementos inesperados que surgem transportam interpretações que só nós podemos adivinhar... O mais importante é sabermos que temos todos os motivos para agradecer ao pincel superior que desenhou a nossa existência e que a pintou com todas as cores que ela tem... Fazemo-lo e nem precisamos de passar essa gratidão para palavras... Basta-nos continuar a respirar com convicção...

domingo, 17 de novembro de 2013

Serenamente...


"O essencial é ser feliz. Não importa em quê. Faz um esforço nesse sentido. Vais ver que és capaz. Com o tempo, torna-se cada vez mais fácil. Não depende em nada das circunstâncias. Nem imaginas como é bom. Aceita tudo e a tragédia desaparece. Ou pelo menos torna-se mais leve e de repente estás apenas ali, a caminhar serenamente no mundo."
Alice Munro in Amada Vida

E nessa caminhada serena há os que acompanham o nosso andar... E há aqueles que queremos acompanhar para sempre... Seja qual for o percurso que escolherem, porque sabemos que o encontro das nossas almas foi programado pelo Universo e é um contrato vitalício... Assim nos queiram ao seu lado e aceitem sempre a mão que lhes estendermos...

sábado, 16 de novembro de 2013

50%


Há pessoas, situações, livros, filmes e objetos que nos fazem refletir... Como se precisássemos deles para o fazer... Apesar de já sabermos que não faz sentido nem queremos viver apenas a 50%. Mas depois há as pessoas, as situações, as circunstâncias e o quotidiano que não nos permitem viver a 100%. Não por termos medo, mas por nem sempre termos espaço... Não por termos vergonha, mas por nem sempre nos aceitarem... Não por termos falta de tempo, mas por não conseguirmos conciliar o tempo que temos com o tempo daqueles com quem queríamos estar... E cada vez mais sabemos e sentimos que a vida se escoa ou se transforma em maleitas diversas e que o que levamos dela são os momentos que partilhamos, as memórias que construímos, as pessoas que tocamos e abraçamos. E nem sempre conseguimos ser 100% felizes quando paramos para fazer essa reflexão... Mas tentamos... E vamos continuar a tentar... Porque ainda temos uma Vida com pessoas e amizades que merecem que nos dediquemos a 100%. Mesmo que elas não o saibam, nem o sintam, nem o queiram talvez, basta que existam para continuarmos...

domingo, 10 de novembro de 2013

Resistência...


"Django Unchained" é um hino à resistência, à perseverança, à determinação... Embora Tarantino continue a abusar do ketchup, é também uma lição de vida e lembra-nos que aqueles que gostam de nós verdadeiramente lutarão até ao fim, só para nos dizerem que estão "Ancora Qui" (ainda aqui)...

domingo, 3 de novembro de 2013

Momentos de magia...



"Sim, a vida é dura, injusta, dolorosa. Mas existe também a garantia - a cem por cento, indubitável, inquestionável - de que nos proporcionará inesperados e súbitos momentos de beleza, alegria, amor, aceitação, euforia. As coisas boas. É a nossa capacidade de reconhecermos os momentos das coisas boas e de nos agarrarmos a eles que nos permite sobreviver e, inclusive, prosperar. E quando podemos partilhar a beleza, a esperança é restabelecida."
Nina Sankovitch in O Meu Ano Mágico

Ler sempre foi um desses momentos bons na minha vida. Ter tempo para o fazer, desfrutando de um bom livro, é, para mim, agarrar-me ao que a vida tem de melhor. Nem sempre há oportunidade de partilhar com aqueles de quem gosto e que também gostam de ler as minhas opiniões, por isso costumo fazê-lo por aqui. Este livro de Nina Sankovitch, uma americana descendente de imigrantes, trouxe-me um projeto no qual não me importava de embarcar: ler um livro por dia durante um ano e escrever sobre cada um dos livros lidos... Ora aí está um excelente plano... Fica o link para o seu blogue (do qual já sou uma fiel seguidora!) se tiverem curiosidade de espreitar... Quanto a mim, por enquanto vou lendo ao ritmo a que a minha vida profissional me permite e apreciando ao máximo cada um dos momentos que passo a fazê-lo...

sábado, 2 de novembro de 2013

Naufragar...


Porque todos temos os nossos barcos negros que nos levam até aos redemoinhos da solidão, fazendo-nos naufragar por vezes... Esses pensamentos mais escuros que nos dão uma boleia maldita trazem-nos imagens do futuro que desconhecemos, da velhice dos que amamos, da distância de quem gostamos e do vazio pelos sonhos que não concretizamos... Felizmente esse naufrágio da esperança faz-nos dar à costa em terras iluminadas pelos que nos estendem uma mão, duas palavras, três sorrisos, quatro ou cinco gargalhadas... Secamos a roupa, sacudimos a areia e prosseguimos a caminhada até à próxima paragem, sabendo que ela existirá, mas tentando não a temer de antemão...

domingo, 27 de outubro de 2013

Rituais...


Gosto de rituais... Sentar-me no meu sofá preferido, acender uma velinha, enroscar-me na manta e começar um livro novo, que escolhi ou que alguém especial me ofereceu... Fazer um chá, desligar as luzes todas, instalar-me confortavelmente e ver um bom filme... São rotinas do meu descanso que também se quer organizado e, sobretudo, bem passado...
Assim sou na vida, nos relacionamentos, na profissão... Gosto de ter as mesmas pessoas por perto durante anos a fio, gosto de as conhecer a fundo, adoro que elas me conheçam e que dêem importância aos meus pequenos nadas... Talvez por isso não tenha assim tantos amigos... Os poucos que tenho valem para uma vida e não prescindo deles... Embora nem sempre possa contar com eles para manter os rituais de que tanto gosto, fui aprendendo a não me desiludir tanto... Talvez tenham os seus próprios sinais... Talvez gostassem que eu fizesse coisas que não faço... Percebi que as diferenças de comportamento fazem dos relacionamentos nós mais fortes... Continuo a dedicar-me aos rituais de que não prescindo... Preciso de saber das pessoas de quem gosto, definho um pouco se estão demasiado longe ou se se afastam mesmo estando perto... Sou uma mulher de palavras e estranho os silêncios ou a contenção de carateres numa era em que a tecnologia gratuita nos mantém à distância de uns minutos de polegar... Mas amo as pessoas da minha vida com a religiosidade de um ritual... E isso vence tudo e dá-me força para continuar a ser assim...

domingo, 20 de outubro de 2013

Gravidade...


Gravitamos durante o ano inteiro... Talvez nos esqueçamos dos outros, embora tentemos desesperadamente não o fazer... Talvez eles se esqueçam de nós, embora queiramos acreditar com todas as forças que isso não acontece... Mas, uma vez por ano, o dia é nosso e o espaço em que orbitamos enche-se da luz de todos aqueles que são estrelas à nossa volta e podemos adormecer a contemplar a constelação que eles formam... E agradecemos ao Universo, porque é só o que podemos fazer, enquanto baixinho pedimos que nunca nenhuma delas se apague...

sábado, 19 de outubro de 2013

On or off?


Ligamo-nos a um aparelho, a dois, a três, a tantos, ao mundo? Será? Ou estaremos a desligar-nos gradualmente da realidade e daqueles de quem nos deveríamos aproximar? Falamos através de letras e esquecemo-nos dos sinais, dos gestos, dos afagos que compõem a nossa humanidade... Escondemo-nos atrás da tecnologia e enganamo-nos, ao achar que nos estamos a revelar ou a conetar, de facto, com aqueles de quem gostamos... Até porque a distância ideal entre nós e aqueles que importam só deveria ser medida em milímetros e jamais em megabytes ou em caracteres... E basta ver este filme para que o lembremos...

sábado, 12 de outubro de 2013

Night trip to ourselves...


"We leave something of ourselves behind when we leave a place, we stay there, even though we go away. And there are things in us that we can find again only by going back there."
Pascal Mercier, Night train to Lisbon

Essa travessia é, tantas vezes, o regresso a um lugar bem no mais fundo de nós, de onde partimos um dia e para onde não queríamos mais voltar... Mas, a não ser que o revisitemos, ainda que apenas em fugazes e fugidias memórias, jamais recuperaremos a parte de nós que lá ficara... Um filme que nos faz pensar nisso e fazê-lo... E vale a pena...

sábado, 5 de outubro de 2013

Esta Vida que escolhi...



"Educar é ensinar a aprender."
Eduardo Sá

Ser professor não é fácil... Muitos são os dias em que a paciência se torna tão ténue que quase se esfuma, em que o cansaço nos envolve de tal forma que quase nos derruba, em que o trabalho se avoluma em pilhas tão grandes que pensamos ter de escalar o Evereste, em que as perspetivas de futuro são tão negras que não nos permitem vislumbrar o sol... Mas depois voltamos a uma sala de aula, recebemos uma vintena de sorrisos e um ou dois olhares carrancudos e tudo se conjuga para que continuemos a ser felizes nesta vida que escolhemos... 

domingo, 29 de setembro de 2013

Esperas...

"Esperar por alguém é uma forma de apurar o futuro encontro (futuro próximo, esperemos nós)."
Gonçalo M. Tavares



O importante é que a luz do farol que há dentro de cada um de nós nunca se apague... Que continuemos a viver, apesar da espera e com ela, quase sem nos apercebermos de que existe... Sobretudo, sem grandes ansiedades, sem sobressaltos, com uma esperança constante mas moderada... Porque quem valer a pena há-de voltar ao porto onde nos conhecemos, independentemente do número de anos que leve em viagem... E são esses raros seres que a nós regressam, mesmo quando já não os esperamos, que merecem estar atracados no nosso coração...

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Sorte(s)...


"A sorte é um ramo de rosas. Há pessoas que a recebem num grande ramo. Outras recebem uma flor de cada vez, até que um dia dizem: - Ah! Tenho um ramo completo!"
Deborah Smith

O importante é cheirar cada uma das rosas que recebemos, até porque nunca sabemos quando vamos acordar e elas vão estar murchas ou até quando vamos ser surpreendidos por uma rajada de vento inesperada e potente que no-las arranca, deixando-nos órfãos das suas cores e do seu perfume...


domingo, 22 de setembro de 2013

Outono...


"Drink your tea slowly and reverently,
As if it is the axis on which the whole earth revolves -
Slowly, evenly, without rushing toward the future.
Live the actual moment.
Only this moment is life."
Thich Nhat Hanh

Com a frescura e as primeiras chuvadas de outono a instalar-se, o chá já fumega ao nosso lado, convidando-nos a fruir o aconchego do fim de semana e a viver em plenitude os momentos de descanso enquanto o trabalho ainda não domina em demasia. Sempre gostei do outono, por não ser demasiado quente nem frio, pelas suas cores convidativas ao olhar, por ser um prenúncio de inverno mas ainda um resquício de verão, ou não fosse eu Balança de signo, sempre em busca do equilíbrio. Tento sentar-me na vida como no outono: tenho boas memórias dos tempos de estio e temo os rigores invernais, mas não me quero quedar muito a pensar nem nos primeiros nem nos segundos, porque confortável é mesmo este sofá do agora e é nele que quero estar instalada e desfrutar... 

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Missão-Vocação


"A minha mãe dissera uma vez que o professor que primeiro nos abre os olhos para as letras e os números, para que possamos ler e contar, receberá recompensas intermináveis até ao dia da sua morte. Concordei com ela, mas não é apenas isso que um professor faz. Ele também abre corações."
Andrea Hirata, in Os Guerreiros do Arco-Íris

Intermináveis são, de facto, as recompensas que recebemos. Surgem sob a forma de sorrisos, cumprimentos efusivos, visitas inesperadas de alunos do ano anterior... E tudo isso abre um coração para o encher: o nosso... E nele cabem sempre mais olhinhos, os dos que continuam a sentar-se à nossa frente, ano após ano, fazendo esta profissão valer a pena e insuflando-nos de novas forças para continuar...

domingo, 15 de setembro de 2013

Retorno...


"A rolling stone gathers no moss."

Pois é... Por mais que o ócio nos saiba bem, não podemos viver só dele... É, portanto, tempo de alinhar as energias, de retomar a pose "sentada à secretária" mesmo ao domingo e de preparar tudo para que, durante mais um ano, possa cumprir a minha missão, aquela que escolhi e que não trocaria por outra... E sei que será um ano de desafios (porque os há sempre novos!), de cansaço, mas sobretudo de sorrisos por desvendar e de aprendizagens por semear e colher... E enquanto assim acreditar no início, também acredito que conseguirei chegar ao fim e sentir o mesmo entusiasmo... Olá, trabalho! Adeus, férias!

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Light and Dark...

"Darkness cannot drive out darkness; only light can do that."
Martin Luther King



Revisitamos o duelo constante entre as forças da luz e da escuridão e saímos com a crença reforçada no Bem... Lembramos que os que são feitos de luz também vivem períodos de trevas e têm que atravessar longos e escuros túneis para voltar a alcançar a claridade. Por mais que o seu rosto escureça e traga vincada a dor, a alma nunca enegrece verdadeiramente e acaba por iluminar tudo à volta... E só assim se vai aniquilando a escuridão...

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Destino...


"És o teu desejo mais profundo e motivador. Como for o teu desejo, assim é a tua vontade. Como for a tua vontade, assim é a tua ação. Como for a tua ação, assim é o teu destino."
Upanixade Brihadaranyaka

Na realidade, as coisas não são assim tão lineares, mas acabam por estar lá por perto. Quando desejamos alguma coisa, cabe-nos fazer por isso e acompanhar a nossa ação com toda a energia positiva que conseguirmos gerar. De ação em ação, vamos desenhando o traçado do nosso destino. Depois, basta segui-lo, conscientes de que ele é irregular, tantas vezes labiríntico, cheio de atalhos, de becos sem saída e até de precipícios... Enquanto tivermos "pernas para andar", a escolha do rumo que pretendemos seguir continuará a ser nossa... Façamo-la tranquilamente, seguindo o conselho de Ricardo Reis:

"Segue o teu destino
Rega as tuas plantas
Ama as tuas rosas
O resto é a sombra
De árvores alheias."

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Pensamentos, palavras e ações...


"Watch your thoughts for they become words. Watch your words for they become actions. Watch your actions for they become... habits. Watch your habits for they become your character. And watch your character, for it becomes your destiny!"
Margaret Thatcher

Pôr finalmente este filme em dia trouxe-me uma lição de caráter. Meryl Streep encarna uma Dama de Ferro perfeita que nos mostra, como ela própria diz, que a nossa vida tem que ter o seu próprio valor. E esse valor reside primeiramente no que pensamos de nós próprios. Daí, passamo-lo para as nossas palavras e ações e construímos o nosso caráter. É esse caráter que nos guia pelas sendas do nosso destino, destino esse que poderá ser mais ou menos atribulado, mas certamente mais certo para nós quanto mais mantivermos a nossa integridade e a nossa essência. Saibamos seguir o conselho desta Mulher que privilegiou o pensar sobre o sentir, não abdicando, porém, do segundo, apesar de o tentar racionalizar...

Luz e sombra...


"Os livros entregavam-me vozes como se fossem sombras em pleno deserto."
Mia Couto

Entregavam-me e continuam a entregar-me. São verdadeiros oásis de frescura quando outros procuram o sol escaldante. São vozes quando já não suporto o silêncio de viver solitária. São paz quando já não suporto as vozes do mundo que berram aos ouvidos da minha alma. São sombra quando a luz ofusca. Iluminam-me quando a escuridão me assusta. São, pura e simplesmente, os mais fiéis companheiros da minha vida...

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Negociações...


"Na vida, nunca temos o que merecemos: temos aquilo que negociamos."
Vikas Swarup

E negociar, na vida, não é, como muitos pensam, usar dinheiro. Não é regatear a torto e a direito para ver se conseguimos uma nova bênção em forma de pechincha... Pelo contrário. É abrir uma conta-poupança de boas vibrações, de sorrisos, de palavras amáveis e depositá-las no dia a dia de alguém. É não saber quando essa conta vai ser usada, como se se tratasse de um investimento a longo prazo para um filho. É ter a certeza de que não haverá lucro para nós, mas mesmo assim não conseguir evitar fazê-lo. Mas, se é negócio com a vida, o que obteremos em troca? Nada... a não ser talvez uma consciência tão tranquila que consegue adormecer em qualquer almofada e um coração tão cheio de gente para gostar que até transborda e parece um mar imenso...

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Permanência...



"[...] depois de alguém entrar na nossa vida nunca mais sai. Nem com ordem de despejo. (Sobretudo, com ordem de despejo.)"
Eduardo Sá

É por isso que não acredito em mandar pessoas embora da minha vida. Porque mesmo que tivesse coragem para o fazer, elas iam continuar lá, a fazer parte da minha história, no virar das páginas de mais uma memória, tatuadas neste corpo de percurso que fui fazendo e arquivadas na pasta das aprendizagens, daí que mandá-las embora seria apenas uma ilusão. Para além disso, acredito que cada pessoa que conheci se cruzou comigo e ficou por algum motivo. E eu não gosto de contestar os motivos deste Universo que tanto me dá (assim como me tira, para haver espaço para me dar mais...). Portanto, entrar na minha vida é ficar, sem ordens de despejo, até que queiram e aqui se sintam bem...

domingo, 18 de agosto de 2013

Terapia...



"lavro versos
curtos
como orações

palavras são legiões
de demónios
expulsos

corto advérbios
pronomes

poupo os pulsos"

José Eduardo Agualusa, Teoria Geral do Esquecimento

Sem o dramatismo mórbido patente nestes versos de Agualusa, também me assumo como aquela que reza através das palavras escritas sempre que precisa de agradecer ou pedir orientação aos céus. Mais do que isso, exorcizo os meus demónios usando o mesmo meio referido por ele: as palavras. Acima de tudo, esta é a minha terapia, que me mantém tantas vezes loucamente sã num mundo de insanidades...

sábado, 17 de agosto de 2013

Sabedoria...



"A arte de nos tornarmos sábios é a arte de saber o que ignorar."
William James

Não dar tanta importância a algumas coisas é, certamente, retirar-lhes o peso que podemos atribuir a outras. Fui aprendendo a criar gavetas dentro da minha mente e é lá que vou arquivando o que só me poderia transtornar ou entristecer. Quando recebo mais uma dessas situações, abro a gaveta para depressa lhe entregar mais essa encomenda e volto a fechá-la. Nem sempre consigo fazê-lo tão rápida ou eficazmente como desejaria, mas com treino já ganhei muita destreza e, consequentemente, acumulei alguma sabedoria. Tenciono continuar...

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Medo(s)...

"I'm full of fears and I do my best to avoid difficulties and any kind of complications. I like everything around me to be clear as crystal and completely calm."
Alfred Hitchcock



Num desempenho sublime de Anthony Hopkins e Helen Mirren, este filme mostra-nos as duas facetas do grande Hitchcock: a de cineasta e a de marido. Mais do que tudo, revela-nos o amor entre ele e Alma, a dedicada esposa que se manteve ao seu lado mesmo aquando das mais extravagantes experiências cinematográficas. No fim de contas, aquilo que sentiam um pelo outro podia não ser claro, podia não ser calmo, mas certamente foi duradouro e real... Torna-se impossível não sorrir quando, no fim do filme, Hitch diz finalmente que jamais poderia encontrar uma beldade loira tão bonita como Alma e ela lhe confessa que esperou trinta anos para ouvir aquilo... Resposta do rechonchudo Hitch: - É por isso que me chamam Mestre do Suspense, minha querida...

sábado, 10 de agosto de 2013

Sofrimento...


"O sofrimento priva o mundo de toda a sua beleza e depois restitui-a, peça a peça, até que a casa a que chamamos a nossa vida assenta mais em esperança do que mágoa."
Deborah Smith

E com o sofrer dos anos aprendemos que é nessa reconstrução que se encontra o verdadeiro viver. Encarar a vida como um conjunto de peças Lego que precisam da nossa constante dedicação para encaixarem e se transformarem na arquitetura da nossa esperança, independentemente dos ventos que a derrubem uma e outra vez, é ser sábio e é ao encontro dessa sabedoria que devemos todos caminhar com os passos mais largos que conseguirmos...

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Uma urgente calma...

"Let us learn to show our friendship for a man when he is alive and not after he is dead."
F. Scott Fitzgerald, The Great Gatsby



O filme, na linha da magnífica obra que lhe serviu de base, mostra-nos como é impossível reviver o passado. É por isso que urge que mostremos os nossos sentimentos sempre que possível, não os adiando nem à sua transmissão. No fim, Nick confidencia-nos que ainda bem que se lembrou de fazer um elogio presencialmente a Gatsby, uma vez que foi o último e único que lhe fez... Certamente se arrependeu de tudo o que não lhe disse quando soube que ele tinha morrido. Até porque as palavras não ditas jamais se podem proferir... E embora não substituam as ações, nem o carinho, nem a lealdade, o que seria (o que será) de uma Amizade verdadeira sem palavras?

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Melhorias...


"Não se pode esperar construir um mundo melhor sem melhorar os indivíduos. Para tal, cada um de nós deve procurar a sua própria melhoria e ao mesmo tempo partilhar uma responsabilidade geral por toda a humanidade, sendo o nosso dever particular ajudar aqueles a quem achemos que podemos ser mais úteis."
Marie Curie

Nem sempre é fácil encontrar aqueles a quem podemos ser mais úteis. Até porque eles se escondem ou fogem, tantas vezes, como se não precisassem de ser ajudados; como se não fossem, também eles, tão frágeis como nós; como se não houvesse lugar para nós do seu lado; como se tudo o mais fosse importante, exceto o tempo da partilha... Mesmo assim, não desistamos de tentar, porque a nossa vontade de sermos melhores deve ser tão firme que as suas raízes nunca apodreçam ou sejam arrancadas...

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Menos perguntas...


"Have patience with everything unresolved in your heart and try to love the questions themselves as if they were locked rooms or books written in a very foreign language. Don't search for the answers, which could not be given to you now, because you would not be able to live them. And the point is to live everything. Live the questions now. Perhaps then, someday far in the future, you will gradually, without even noticing it, live your way into the answer."
Rainer Maria Rilke, in Letters to a Young Poet

O melhor mesmo é evitar fazer perguntas, abandonar os pontos de interrogação à porta, como se fossem bengalas de que não precisamos para estar em casa na nossa Vida. Demasiados porquês pesam-nos na bagagem e não nos permitem saborear o quotidiano sem uma certa angústia que lhes estará sempre subjacente enquanto não obtivermos a resposta que desejaríamos. Todos nós já perdemos demasiado tempo a tentar perceber os motivos pelos quais algo inesperado nos aconteceu. É tempo perdido, porque mesmo que a resposta surja, ela não reporá o antigo estado das coisas. O melhor é acreditar que a Vida não existe para lhe fazermos perguntas, mas sim para lhe darmos respostas...

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Dois pratos da balança...


"Alguns dizem:
- A alegria é maior que a tristeza.
Outros afirmam:
- Não, a tristeza é maior.
[...]
Vêm juntas e quando uma se senta a sós convosco à vossa mesa lembrai-vos que a outra dorme na vossa cama."
Khalil Gibran

O segredo é estarmos preparados para ambas, mantendo presente que elas são os dois pratos desta balança que é a Vida... Por vezes há um que se eleva, predominando sobre o outro, mas a nossa busca deve ser pelo equilíbrio, pois sem uma jamais valorizaríamos a outra...

Literatura...


"A literatura é o território sagrado onde se inventa um chão e nos sentamos com os deuses. O lugar onde, também nós, somos deuses."
Mia Couto

E que bom que é ter tempo e paz para reinventarmos esse chão, agarrarmos num bom livro e deixarmo-nos levar pelos céus infinitos da imaginação, onde nenhuma preocupação nos pode derrubar. Com cada livro lido vamos empilhando uma torre que nos faz aproximar cada vez mais dessa condição de deuses... Prossigamos a subida...

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Colheita...


"[...] uma vida de trabalho árduo é como apanhar fruta de uma cesta com os olhos vendados. Qualquer que seja a fruta que tiramos, pelo menos temos fruta."
Andrea Hirata in Os Guerreiros do Arco-Íris

Este livro de um escritor indonésio dá-nos esta lição e muitas outras mais. Sobretudo, deixa-nos a pensar que tudo o que temos não poderá ser tomado como um dado adquirido. Aquilo que para nós é uma dificuldade para outros seria apenas uma pedrinha no meio de um caminho íngreme, poeirento e interminável. E enquanto nos lamentamos por essa contrariedade, talvez no outro lado do mundo alguém chore por um infortúnio que para nós seria abismal... Sejamos, pois, sempre gratos pela fruta que enche a nossa cesta para que a possamos saborear em toda a sua doçura.

Cinzento...


"As pessoas boas, por vezes, acabam por fazer coisas péssimas por não quererem fazer uma coisinha má. Mas isso não as transforma automaticamente em pessoas más."
Lucy Dillon

Habituei-me a acreditar que não existem pessoas totalmente boas nem totalmente más. Por vezes fica difícil acreditar nisso, tal é a incidência de coisas boas ou más que algumas pessoas conseguem fazer. Mas sei que a vida não se pode categorizar em preto e branco porque no meio há diversas tonalidades de cinzento. Sinto-me mais aconchegada no mundo se sentir que posso esperar alguma bondade de cada ser humano com que me cruzo. E sinto-me mais aliviada se, de cada vez que fizer uma "coisinha má", isso não puser em causa o que sou na realidade.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Memória...


"Comportamo-nos como se as pessoas de quem gostamos fossem durar para sempre. Em vida não fazemos nunca o esforço consciente de olhar para elas como quem se prepara para lembrá-las. Quando elas desaparecem, não temos delas a memória que nos chegue. Para as lembrar, que é como quem diz, prolongá-las. A memória é o sopro com que os mortos vivem através de nós. Devemos cuidar dela como da vida.
Devemos tentar aprender de cor quem amamos. Tentar fixar. Armazená-las para o dia em que nos fizerem falta. São pobres as maneiras que temos para o fazer, é tão fraca a memória, que todo o esforço é pouco. Guardá-las é tão difícil. Eu tenho um pequeno truque. Quando estou com quem amo, quando tenho a sorte de estar à frente de quem adivinho a saudade de nunca mais a ver, faço de conta que ela morreu, mas voltou mais um único dia, para me dar uma última oportunidade de a rever, olhar de cima a baixo, fazer as perguntas que faltou fazer, reparar em tudo o que não vi; uma última oportunidade de a resguardar e de a reter. Funciona."
Miguel Esteves Cardoso

Acho que está praticamente tudo dito. Pelo menos a mim própria, que não suporto perder pessoas ou tê-las longe, embora me custe mais tê-las afastadas do pensamento do que da geografia em que pouso. Talvez não haja muitos seres humanos que eu gostasse de saber de cor, para os sentir mais perto quando estão longe ou quando se projetam para uma distância quase impossível de transpor. Mas esses poucos têm cores que eu admiro e que escolhi para fazerem parte da paleta com que pinto a minha Vida... E se as escolhi é porque sem elas o meu Universo ficaria apenas a preto e branco...

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Alerta para a Felicidade...


"Desde cedo que temo a possibilidade de passar pelas horas mais felizes da minha vida sem as reconhecer. Não sei com quem aprendi esse talento. Sinto pena silenciosa quando vejo alguém recordar um tempo em que foi feliz como se, só naquele instante, demasiado tarde, identificasse a felicidade que atravessou. Não quero esse desperdício para mim. A vontade de reconhecer os melhores momentos da minha vida no instante em que estou a vivê-los dá-me a lucidez de estar sempre alerta para a felicidade. É essa a minha sorte."
José Luís Peixoto

Com o tempo fui aprendendo a dar cada vez mais valor ao momento presente, a saborear cada instante como se de uma sobremesa irresistível se tratasse... Os anos a pesar foram trazendo à tona o forte peso da mortalidade e, ao sentir-me mais velha e cansada, passei também a experienciar um tom de gratidão mais agudo pelo que vou vivendo. Sei que não vou durar para sempre, nem aqueles de quem gosto, por isso me custa tanto ter peças fundamentais do puzzle do meu coração longe de mim, ou perto mas indisponíveis (o que ainda custa mais...). No entanto, fui percebendo que, se elas compõem, de facto, esse tal puzzle, o Universo arranjará maneira de nos dispor lado a lado, no plano dele e num futuro próximo ou longínquo, nesta ou noutra dimensão. Pensar assim ajuda-me a curvar a alma dos dois lados para formar um sorriso e acreditar que basta querermos para sermos felizes, com muito, com pouco, com tudo ou até sem nada...

domingo, 7 de julho de 2013

Regressos...


"A vida ri-se das previsões e põe palavras onde imaginamos silêncios, e súbitos regressos quando pensamos que não voltaríamos a encontrar-nos."
in A Viagem do Elefante de Saramago

Quando o faz, põe os nossos princípios à prova, contrariando a ideia de Heráclito de que "não se pode descer duas vezes o mesmo rio" ou o conselho "nunca voltes ao lugar onde já foste feliz" de Rui Veloso... É nessas ocasiões que mais nos apetece regressar ao que já foi familiar, ao que já foi nosso, aos lugares-comuns da nossa felicidade... Afinal de contas foi o mesmo Saramago que começou aquele livro com o pensamento "Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam"...

sábado, 29 de junho de 2013

Cansaço feliz...


"A felicidade acontece quando aquilo que se recebe é não só exatamente aquilo que se deseja receber, como corresponde àquilo que o outro deseja e sabe dar."
Helena Sacadura Cabral

É este o tipo de felicidade que sinto no fim de mais uma etapa com os meus alunos... Sei que tudo o que eles dão é o que sabem dar e isso é mais do que suficiente para me sentir feliz e, ao fazer o balanço de mais um ano, perceber que o cansaço compensa e desaparece no instante em que me sorriem ou em que me fazer sorrir com mais um dos seus gestos inesperados e sinceros... Venha a próxima aventura que esta valeu a pena!

sábado, 22 de junho de 2013

Resignação...

"Nós aceitamos o amor que julgamos merecer."
(As Vantagens de Ser Invisível - filme)



Esquecemo-nos muitas vezes que poderíamos merecer mais, se não o aceitássemos apenas assim... Por outro lado, não queremos exigir nada de ninguém... E então quedamo-nos... Amamo-nos a nós mesmos e deixamo-nos ficar... Porque afinal não nos compete pedir o que merecemos... Chegará (ou não) a seu tempo...

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Escolhas...



"Todos fazemos escolhas. O complicado é viver com elas."

Há escolhas que não são feitas por nós e também é complicado viver com elas. Quando isso acontece, cabe-nos escolher como reagir e como fazer as opções seguintes. Sobretudo, é preciso não encarar qualquer escolha como uma âncora que nos prende para sempre. Felizmente, temos sempre poder para soltar algumas amarras, para permitirmos a nós próprios tempo de andarmos à deriva, ao sabor de algumas correntes, fugindo de pressões e de depressões, sem, no entanto, perdermos o nosso rumo. Se a nossa bússola interior estiver convicta de qual é o nosso Norte, o mais certo é conseguirmos reencontrar o percurso de volta ao caminho certo, aquele que nos leva à mais importante praia: aquela onde podemos ser simplesmente iguais ao que escolhemos ser...

domingo, 16 de junho de 2013

Até já...


"Amanhã
os alunos vão-se...
E ele, o mestre, de mãos vazias,
fica com o coração partido..."
Autor desconhecido

Neste caso, o "amanhã" já foi anteontem... Mais um ano letivo chegou ao fim e eu não gosto de despedidas... Sobretudo quando se trata de alunos que já me acompanham (sim, eu sei que também os acompanho, mas gosto de o dizer e sentir ao contrário) há três anos... Habituo-me aos seus sorrisos e até aos seus bocejos quando a aula fica mais enfadonha... Costumo dizer que só tenho filhos durante o dia e durante a semana: são eles. E quando chega ao fim mais uma etapa, bate sempre a incerteza do futuro... Mas tal como lhes disse, não gosto de despedidas. Prefiro o "até já", porque me dá a sensação de que, a qualquer momento, ao virar da esquina, posso cruzar-me com alguém que não foi embora, porque fará para sempre parte da minha história... Até porque os meus alunos são a melhor e mais importante parte desta profissão todos os dias e são eles que me dão forças para continuar...

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Terra-Mãe...


"Talvez seja a terra-mãe que há em mim, mas há momentos na vida em que, sei lá, o mundo inteiro parece estar em paz. Em que todos coexistimos numa espécie de harmonia universal. Sem pressas nem problemas, vivendo e deixando viver."
Lotação Esgotada (série)

Para mim, esses momentos são aqueles em que estou em contacto direto com essa Terra-Mãe que nos envolve a todos. É aí que melhor respiro a paz que dela emana, que absorvo o verde da esperança que nela abunda e que mergulho no infinito do azul que nos convida... Fossem todos os momentos assim...

domingo, 26 de maio de 2013

Incerteza...


"...viver é aprender que nunca podemos entrar definitivamente num porto, pois as coisas estão sempre a mudar, até nós. Em alguns aspetos, as pessoas mantêm-se irrevogavelmente fiéis a si mesmas, mas praticamente a única coisa em que podemos confiar é na incerteza."
Elizabeth Berg

É por isso que, na certeza dessa incerteza, por vezes tentamos buscar âncoras que nos mantenham presos a determinados lugares, mesmo que esses lugares sejam apenas ilhéus de alegria e de conforto que encontramos nas águas do quotidiano... Gostaríamos tanto de saber que a Vida passaria, mas que alguns amigos (poucos, mas fiéis!) iriam estar sempre lá para nós, independentemente dos rumos tomados e dos novos tesouros descobertos... Mas uma vez mais é a incerteza que nos responde e habituamo-nos ao seu eco de sereia encantatória que nos embala (mas não nos tranquiliza) até adormecer em nós a esperança de uma certeza mais animadora...